A Palavra como água purificadora.

Efésios 5: 26
Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra

Indiscutivelmente temos na Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse, exortações enfatizando energicamente a necessidade de que os salvos em Jesus Cristo tenham uma vida santificada. Isso se explica pelo fato de que a credibilidade só é assegurada quando o discurso verbal é acompanhado de comportamento condizente com o discurso e práticas diárias. Em outras palavras, o que estamos dizendo é que o Senhor Deus exige dos salvos que a transformação que foi operada, por inteiro, na vida do “ex-pecador” (não que tenha deixado de ser pecador, mas, por que abandonou as práticas pecaminosas) seja claramente perceptível por todos os que estão ao redor.

Ainda que nosso Deus exija isso de nós, Ele sabe muito bem que nós, por nós mesmos, pela nossa própria capacidade, não conseguiremos atingir esse objetivo, por que somos seres extremamente instáveis, ou seja, deixamo-nos ser facilmente induzidos a falhar deliberadamente com o nosso Deus. As muitas ocupações, os muitos afazeres e o tempo exíguo são nossas escusas diante do que é nossa responsabilidade como servos de Deus – estarmos purificados diariamente.

O Altar de Bronze lidava com o pecado. Como uma figura da cruz, em que os sacrifícios contínuos de animais tipificavam o único sacrifício perfeito, ele garantia a completa reconciliação do homem com Deus. Os sacrifícios de animais, em si mesmos, não faziam nada pelo pecado, exceto postergar a punição que a justiça divina exigia. Cada um dos sacrifícios de animais apontava para Cristo. O “cheiro suave” que o Pai Celestial recebia com essas ofertas queimadas era, na realidade, o suave perfume da perfeita obediência de Seu Filho à Sua santa vontade. Humanamente, vemos esses eventos em um contexto histórico, mas nosso Pai Celestial os vê e conhece todas as coisas de uma maneira atemporal:” “Conhecidas são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas obras.

A questão do pecado, na antiga aliança, era acertada no Altar de Bronze que era um símbolo da Cruz de Cristo que resolveu o problema do pecado na nova aliança e, não obstante, estarmos justificados, enquanto estivermos neste mundo, somos instados a permanecermos limpos. Sendo assim, a Pia de Cobre, na antiga aliança, representava essa purificação diária que devemos buscar incessantemente nos dias atuais.

A Pia de Cobre era inteiramente de cobre, porém a quantidade de metal não foi especificada. As dimensões também não são indicadas. Pelo fato de Deus não especificar a quantidade de cobre necessária e nem o tamanho e formato da pia, o fiel cristão está sendo convidado a se achegar a Cristo todos os dias, tantas vezes quanto quiser, sem limites. A limpeza da contaminação — que é contraída continuamente por meio de nosso contato diário com um mundo danificado pelo pecado — é uma tarefa que nunca termina.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– https://www.espada.eti.br/tabernaculo

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.