Todo pecado contra Deus recebe sua sentença.

Apocalipse 2: 23
E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras”.

É inacreditável no que estão transformando a igreja de Cristo. Evidentemente temos consciência de que a Igreja Verdadeira não se dobrará diante dos atentados absurdos que estão tramando contra ela, entretanto, é drástico presenciarmos o nível de violência com que profanam a Casa de Deus e, por estarmos com mãos, pés e boca atados não podemos impedir o avanço fatídico da apostasia. Embora isto seja uma profecia, não quer dizer que temos que ficar indiferentes. Evitar que aconteça, com certeza não conseguiremos, mas podemos resgatar muitos desta terrível ameaça que é abandonar a fé verdadeira.

Infelizmente muitas igrejas já se transformaram em empresas, abandonaram a característica de organismo vivo para assumirem o papel de instituições – empresas. Em consequência disto os objetivos da igreja mudaram radicalmente. Muitas igrejas atualmente já não tem a característica de “corpo” de crentes de uma determinada localidade, é a igreja do “fulano” ou do “beltrano” e, essas designações não tem apenas a conotação de identificar a igreja, elas literalmente são propriedades particulares destas pessoas. Tais igrejas há muito deixaram de salgar e seu brilho se ofuscou. Em vez, de ser o sal do mundo, estas igrejas se tornaram apenas mais um “tempero” em meio a um vasto número de filosofias e conceitos, e o brilho que deveria servir como sinalizador de um caminho no mundo em trevas está ofuscado e, com isso, é impossível ser distinguido em meio a tantas “luzes”.

Uma pergunta é muito perspicaz neste momento: a quem responsabilizar pela degradação espiritual destas igrejas?

Quando analisamos minuciosamente a Palavra de Deus e nos deparamos com as cartas que foram escritas às sete igrejas da Ásia, encontramos, então, a resposta para tal pergunta. O Senhor Jesus, enquanto ditava as cartas para que João escrevesse, tinha total conhecimento de todas as coisas que estavam acontecendo em cada igreja. Ele foi enfático em dizer que estava a par de tudo, nada podia estar oculto ao Seu conhecimento. Não obstante a todos os problemas que atormentavam a sólida união dos santos serem oriundos da própria igreja, Jesus não responsabilizou todo o “corpo”. As cartas tinham um único destinatário – o “anjo” de cada igreja.

Embora cada crente deva ser uma igreja em plena atividade, estamos empregando o termo, aqui, como sendo a “assembleia dos chamados para fora”; todo o corpo de crentes de uma localidade; uma congregação. Por isso, querendo ou não; admitindo ou não, o único responsável pela condição espiritual da igreja é o seu pastor. É óbvio, que entendemos que este não levará todas as pessoas a um pleno entendimento do que é ser uma igreja, mas a forma como a igreja se comporta espiritualmente; a maneira como ela executa o que lhe está comissionado; o seu comportamento diante dos “atentados” filosóficos, teológicos, políticos e sociais na esfera secular; e, a sua apatia diante do estrondoso ataque dos hereges, imbuídos em distrair os crentes, são “sintomas” que não passam despercebidos pela “Cabeça” da igreja que é Cristo, mas que serão cobrados dos pastores.

Culpado diante de Deus, não é, tão somente, o que comete pecado. Qualquer pessoa que é conivente com a prática do pecado, é tão culpado quanto quem pratica.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.