Ungido para a obra de Deus.

Isaías 61: 1
O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos”.

Nas Escrituras, a prática da unção com óleo, fosse com perfume ou sem, tinha um significado secular e religioso. Em hebreu, duas palavras eram usadas: suk e a palavra mais comum mashah, da qual deriva o substantivo mashiah, conhecida como Messias, “o ungido”. As palavras gregas são: aleipho, que é comparável a suk; e chrio, da qual vem o nome “Cristo”, que possui o mesmo significado de Messias.

O termo hebraico suk designava uma prática diária que consistia em esfregar o corpo com óleo de oliva depois do banho, ou ungir a cabeça de um convidado com óleo – “Lava-te, pois, e unge-te, e veste os teus vestidos, e desce à eira; porém não te dês a conhecer ao homem, até que tenha acabado de comer e beber”. ¹

Em uma única passagem, com respeito às pessoas, o termo mashah parece indicar um ato não religioso de ungir o corpo _ “Que bebem vinho em taças, e se ungem com o mais excelente óleo: mas não se afligem pela ruína de José”. O significado básico de mashah é “cobrir” ou “untar”. Ele aparece em Jeremias 22.14 com o sentido de pintar um cómodo real – “Edificarei para mim uma casa espaçosa e aposentos largos, e lhe abre janelas, e está forrada de cedro e pintada de vermelhão”. Em II Samuel 1.21 – “Vós, montes de Gilboa, nem orvalho, nem chuva caia sobre vós nem sobre vós, campos de ofertas alçadas, pois aí desprezívelmente foi arrojado o escudo dos valentes, o escudo de Saul, como se não fora ungido com óleo” e em Isaias 21.5 – “Eles põem a mesa, estão de atalaia, comem e bebem; levantai-vos, príncipes, e untai o escudo”, há menção da unção de escudos, o que pode significar nada mais que aplicar óleo para sua conservação. ¹

Para um ato religioso de unção, o Antigo Testamento em hebraico prefere as formas nominais e verbais da palavra mashah. O primeiro exemplo foi o ato de Jacó de ungir a pedra em Betel depois da sua visão – “Eu sou o Deus de Betel, onde tens ungido uma coluna, onde me tens feito o voto; levanta-te agora, sai-te desta terra e torna-te à terra da tua parentela”. Os sacerdotes e sumos sacerdotes eram ungidos – “E vestirás com eles a Arão, teu irmão, e também a seus filhos; e os ungirás, e os consagrarás, e os santificarás, para que me administrem o sacerdócio”. Os reis eram ungidos – “E convidarás Jessé ao sacrifício; e eu te farei saber o que hás de fazer, e ungir-me-ás a quem eu te disser”. Algumas vezes, os profetas eram ungidos –“Também a Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei de Israel e também Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar”. O Tabernáculo, seu mobiliário, e utensílios eram ungidos. A unção separava o objeto ou a pessoa para um serviço especial a Deus, tornando-se dessa forma sagrado e intocável. A unção era frequentemente considerada um ato de Deus, porque Ele ordenava que fosse feita – “Então, tomou Samuel um vaso de azeite, e lho derramou sobre a cabeça, e o beijou, e disse: Porventura, te não tem ungido o Senhor por capitão sobre a sua herdade?” E era associada ao derramamento do Espírito do Senhor – “Então, Samuel tomou o vaso do azeite e ungiu-o no meio dos seus irmãos; e, desde aquele dia em diante, o Espírito do Senhor se apoderou de Davi. Então, Samuel se levantou e se tornou a Ramá”. ¹

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– ¹ Transcrito Literalmente do Dicionário Bíblico Wycliffe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.