A unidade linguística primitiva.

Gênesis 11: 1
 “E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala

Após o dilúvio, ficou sobre Noé e sua família a responsabilidade de povoar a terra. Ao desembarcarem da arca, Deus incumbiu-lhes de multiplicarem-se e encherem a terra. Nunca foi da vontade do Senhor que os seres humanos se aglomerassem em um só lugar. O planeta Terra com toda sua extensão deveria ser milimétricamente explorada pelo homem que o Senhor havia formado.  Nosso Deus já havia delegado essa tarefa a Adão e Eva, mas por causa do pecado, o próprio Senhor pôs um fim no trabalho que eles haviam começado.

Ao soprar do Seu espírito no homem (porque Deus é espírito), o Senhor dotou o homem de uma inteligência incrível e, juntando essa inteligência com a liberdade de escolha, o homem estava equipado com as melhores “ferramentas” para transpor qualquer obstáculo e, assim, podia cumprir com aquilo que lhe tinha sido designado por Deus. Porém, é tremendamente incrível como o homem, na maioria das vezes, sempre usou sua inteligência para arquitetar o mal.

Devemos atentar para o sentido que o Senhor deu ao falar que a terra era de uma mesma língua, Ele não estava dizendo que, literalmente, as pessoas estavam falando o mesmo idioma ou dialeto, mas que a forma de se expressar, bem como as intenções do coração estava conduzindo a sociedade da época a estabelecerem regras que contrariavam a expressa ordem do Senhor. Ou seja, os “formadores de opiniões” daqueles dias, estavam influenciando as pessoas de tal maneira que os preceitos divinos já não eram essenciais. Em outras palavras podemos escrever que o argumento era o seguinte: – Deus nos mandou encher a terra, porém não vamos sair “perambulando” por aí sem rumo, fiquemos aqui e construamos nosso reino aqui mesmo.

Aplicando esse texto para nossos dias, ele nos alerta de um grande perigo que o homem está sujeito a incorrer nele. Falar a mesma língua aponta para estar em concordância mutua sobre um determinado assunto, desejo ou intenção do coração. Em termos gerais, a humanidade está inclinada a concordar, seguir, compartilhar e aceitar tudo o que inútil, supérfluo, fútil e inconsistente. A frivolidade está no seu clímax e, infelizmente, ela adentrou nas igrejas. Em muitas igrejas, todas as atividades (sem exceção) não passam de entretenimento. Nestas igrejas, os obreiros mais se parecem animadores de público do que servos de Deus.

Infelizmente, e digo isso com uma profunda tristeza no coração, nem no meio evangélico se fala a mesma língua. Assim como entre os judeus perdeu-se a pronuncia do tetragrama YHWH, em nosso meio o evangelho, o genuíno evangelho de Cristo esta perdendo sua essência. Sem dúvida alguma, restam os remanescentes.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

2 thoughts on “A unidade linguística primitiva.

  • 1 de fevereiro de 2020 em 05:10
    Permalink

    Este blog tem sido uma bênção para minha vida. Que Deus continue te abençoando o nosso irmão Elivelton

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.