A bênção na civilização.

Deuteronômio 28: 1-6
 “E será que, se ouvires a voz do Senhor, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje, o Senhor, teu Deus, te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do Senhor, teu Deus: Bendito serás tu na cidade e bendito serás no campo. Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais, e a criação das tuas vacas, e os rebanhos das tuas ovelhas. Bendito o teu cesto e a tua amassadeira. Bendito serás ao entrares e bendito serás ao saíres”.

Indiscutivelmente, um dos grandes problemas que Israel enfrentou dentro dos próprios termos, foi o de “superestimar” a bênçãos proclamadas por YHWH aos patriarcas e líderes. A condição de “povo escolhido” causou na maioria dos israelitas um sentimento arrogante de exclusividade em detrimento ao que o Senhor tinha prometido ao patriarca Abraão – “E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”.

Israel não foi a primeira nação a existir, muitas outras civilizações já tinham suas raízes e territórios demarcados no mundo antigo. As leis (não as leis de Deus) já eram conhecidas e praticadas, como, por exemplo, o Código de Hamurabi. O Código de Hamurabi, representa o conjunto de leis escritas, sendo um dos exemplos mais bem preservados desse tipo de texto oriundo da Mesopotâmia. Acredita-se que foi escrito pelo rei Hamurabi, aproximadamente em 1772 a.C. Os artigos do Código de Hamurabi descreviam casos que serviam como modelos a serem aplicados em questões semelhantes. Para limitar as penas, o Código anotou o princípio de Talião, sinônimo de retaliação. Por esse princípio, a pena não seria uma vingança desmedida, mas proporcional à ofensa cometida pelo criminoso. E sendo assim “olho por olho, dente por dente”.

Segundo os estudiosos, os hebreus saíram do Egito cerca de 330 anos (por volta do ano 1440 a.C.), após a implantação deste Código de Hamurabi, isso prova que as nações já estava estabelecidas como sociedade bem organizada pelo mundo antigo. Bem organizadas no sentido religioso, cultural e sócio-político. A principal tarefa de Israel era a divulgação, a disseminação do Nome de Deus entre os povos. Eles deveriam levar a conhecimento de todos os povos de que existia um Deus acima de todos os outros deuses, que mantém um íntimo  relacionamento com os que andam em sincera obediência à Sua voz.

O propósito de Deus sempre foi o de abençoar todas as nações através de Israel, no Antigo Testamento e, através da Igreja de Cristo nos dias atuais. Porém, tanto esta como aquele falharam em sua missão – a de tornar Deus conhecido de todos os povos. Não um conhecimento superficial; não somente o fato de saberem que existe um Deus, mas o de poderem ser participantes das mesmas bênçãos proclamadas sobre ambos, independentemente de suas etnias.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_de_Hamurabi

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

2 thoughts on “A bênção na civilização.

  • 22 de fevereiro de 2020 em 17:37
    Permalink

    Obrigado irmao por todos os ensinamentos

    Resposta
    • 23 de fevereiro de 2020 em 07:44
      Permalink

      Agradeçamos ao Espírito Santo de Deus que nos capacita para escrever e entender qual o real propósito de Deus em nossas vidas.
      Deus te abençoe.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.