A repreensão de Deus aos amigos de Jó.

Jó 42: 7-8
 “Sucedeu, pois, que, acabando o Senhor de dizer a Jó aquelas palavras, o Senhor disse a Elifaz, o temanita: A minha ira se acendeu contra ti, e contra os teus dois amigos; porque não dissestes de mim o que era reto, como o meu servo Jó. Tomai, pois, sete bezerros e sete carneiros, e ide ao meu servo Jó, e oferecei holocaustos por vós, e o meu servo Jó orará por vós; porque deveras a ele aceitarei, para que eu vos não trate conforme a vossa loucura; porque vós não falastes de mim o que era reto como o meu servo Jó”.

Estamos chegando ao final da historia de Jó e de tudo quanto foi estudado e falado em sala de EBD ou nos grupos do whatsapp destinados ao compartilhamento das lições, devemos, nesta ultima lição, ter o cuidado de deixar bem esclarecido qual foi o verdadeiro resultado que o sofrimento de Jó lhe proporcionou. Embora esteja declarado literalmente que o Senhor “virou o cativeiro de Jó”, esse não foi o real propósito do Senhor em meio àquela situação. O propósito do Senhor em permitir que todas as coisas fossem tiradas de Jó, jamais foi para que no final o Senhor as devolvesse em dobro e provasse que Ele era Deus. A história de Jó é uma prova cabal de que não existem contos de fadas onde tudo vai, sempre, ter um final feliz.

Como bem vemos nestes dois versículos (7 e 8) do capítulo 42 do livro de Jó,  o final feliz para toda a trama do livro só pode ser proporcionado por Deus. Quando o Senhor se manifestou a Jó através do redemoinho, talvez, os amigos de Jó tenham suspirado aliviados com a sensação de que tudo estava resolvido e, por conseguinte, todos voltariam às suas rotinas diárias e a vida seguiria seu curso normal. Ledo engano! O Senhor precisava colocar algumas “coisinhas” no seu devido lugar.

Muitos erros foram cometidos ao longo da trama. Muitas palavras foram pronunciadas indevida e equivocadamente. Muitos comportamentos inadequados foram manifestados por pessoas que detinham o título de sábio. E isso se aplica tanto aos amigos de Jó como a ao próprio Jó. E, indiscutivelmente, nosso Deus não daria por encerrado o caso sem que antes fizesse com que aqueles homens reparassem seus erros.

De Elifaz, Bildade e Zofar – “Senhor disse a Elifaz, o temanita: A minha ira se acendeu contra ti, e contra os teus dois amigos”, o Senhor exigiu sacrifícios para que fossem reparados os erros que haviam cometido contra o Senhor – “não dissestes de mim o que era reto”, porém, a oração que seria feita com os sacrifícios só seria aceita por Deus se fosse feita por Jó.

Jó tornou-se um intercessor. Havia a necessidade da reconciliação dos três amigos com Jó para que ele pudesse orar pelos três. Jó se transformou no mediador entre Deus e seus três amigos! Ao perdoar os amigos e orar por eles, Jó trouxe de volta as bênçãos para a própria vida. “Quando nos recusamos a perdoar a outros, provocamos nosso próprio sofrimento”.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Comentário Bíblico Expositivo do Velho Testamento – Warren W. Wiersbe
– Comentário Bíblico do Velho Testamento Beacon

Compartilhar

One thought on “A repreensão de Deus aos amigos de Jó.

  • 23 de dezembro de 2020 em 16:19
    Permalink

    Jó ilustra muito bem a verdade de quando um crente experimenta perseguição ou algum outro,tipo de sofrimento deve perseverar firme na fé e continuar a confiar naquele que julga corretamente,assim como fez próprio Jesus quando aqui sofreu 1 Pe2:23).Jó 1:6-2:10 QUANDO liberamos perdão as nossas enfermidade são sarada!Deus fala perdoe nossos devedores,Se não fosse o amor de Deus aí,aí.Lc6:35-41

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.