Ai de mim se não anunciar o Evangelho!

I Coríntios 9: 16
 “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!”

O charlatanismo religioso existe desde os primórdios dos tempos. No Antigo Testamento temos o episódio envolvendo o profeta Balaão, o qual foi “alugado” por Balaque para proferir maldições sobre o povo de Deus e, no Novo Testamento vemos nas cartas de Paulo, inúmeras advertências acerca de pessoas que estavam ingressadas no rol de membros de uma igreja e, em alguns casos, tais pessoas tinham funções essenciais na igreja, mas que se comportavam descaradamente como mercenários. O próprio Deus nos adverte sobre essas pessoas – “Mas o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa”.

O cristianismo é a maior religião do mundo com, aproximadamente, 2,5 bilhões de adeptos. No Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 87% da população é formada de cristãos e dos outros 13% restante,  5% está dividido entre outras religiões e 8%, segundo pesquisa do ano de 2018, não possuem nenhuma religião. Há de ficar esclarecido que dos 87% de cristãos, 65% são adeptos do catolicismo, desta forma, nós, os evangélicos, somos 22% desta fatia do “bolo”. Aproximadamente, somos 48 milhões de cristãos evangélicos no Brasil. É um número bem expressivo e, seria eficiente, se todas as igrejas evangélicas fossem comprometidas com a evangelização urbana.

Ora, existem cerca de 8% (+/- 17 milhões) da população brasileira precisando ser evangelizada, mas, infelizmente, algumas igrejas estão pescando em aquário, isto é, estão arrebanhando ovelhas das igrejas vizinhas com o argumento de que o “seu pasto” é melhor. Não chamo isso de evangelismo, na verdade isso é um aliciamento. O sentido literal do termo aliciar indica exatamente o que está ocorrendo entre as igrejas evangélicas, isto é, os líderes de algumas igrejas evangélicas para tornarem seu aliciamento eficaz, pregam e ensinam aquilo que as pessoas querem ouvir – “Pois virá o tempo em que as pessoas já não escutarão o ensino verdadeiro. Seguirão os próprios desejos e buscarão mestres que lhes digam apenas aquilo que agrada seus ouvidos”(NVT). Evidentemente, que isso não ameniza a culpa dos charlatães.

Anunciar o evangelho gratuitamente é o dever de todo crente e, aquilo que a Bíblia diz sobre “Digno é o obreiro do seu salário” está apontando para a recompensa que o Dono da obra tem reservada para todos os que estão trabalhando fidedignamente em prol do Seu reino. O fato de a Bíblia nos revelar que os charlatães religiosos sempre existiram, não significa que temos que conviver com eles, mas que, antes, sejam identificados em nosso meio e energicamente repudiados.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– https://www.researchgate.net/figure/Figura-2-Distribuicao-percentual-das-religioes-no-Brasil-Fonte-IBGE-Instituto

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.