O adúltero destrói a si mesmo.

Provérbios 6:32
 “O que adultera com uma mulher é falto de entendimento; destrói a sua alma o que tal faz”.

O ensino que a Bíblia nos apresenta sobre o pecado, revela que ele se apresenta sobre dois aspectos: a intensa depravação da humanidade e a sobrepujante glória de Deus. A sombra do pecado está sobre cada aspecto da existência humana, sendo que, fora de nós, ele é um inimigo que seduz, enquanto que, por dentro, compele-nos ao mal, como parte de nossa natureza caída. Embora conheçamos sua definição e características, o pecado ainda que permanece estranho e misterioso. Promete a liberdade, mas escraviza, produzindo desejos que não podem ser satisfeitos. Quanto mais lutamos (com nossas próprias forças) para escapar ao seu domínio, tanto mais nos enlaça. Compreender o pecado nos ajuda no conhecimento de Deus, porém o pecado distorce até mesmo nosso autoconhecimento.

O primeiro pecado da humanidade desencadeou todos os demais pecados – a desobediência à voz de Deus é o primeiro passo em direção a uma vida totalmente depravada. Da desobediência e da afronta a Deus flui o orgulho, a incredulidade, desejos errados, o desviar outras pessoas, assassinato em massa da posteridade e a submissão voluntária ao diabo. As consequências imediatas foram numerosas e extensivas. O relacionamento entre Deus e os homens, de franca comunhão, amor, confiança e segurança, foi trocado por isolamento, autodefesa, culpa e banimento. Adão e Eva entraram em conflito pessoal, bem como o relacionamento entre eles, entrou em degeneração. A intimidade e a inocência cederam lugar à acusação (jogavam a culpa um sobre o outro). Seu desejo rebelde pela independência resultou em dores de parto, labuta e morte.

O crente que comete adultério, sofre aflição e desonra; além disso, seu opróbrio nunca desaparecerá. O adultério é um pecado grave e hediondo contra Deus – “Por que, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom. Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que te seja por mulher” – e contra o cônjuge inocente que foi enganado; a vergonha e a infâmia deste pecado permanecem com a parte culpada pela vida inteira. Embora a culpa do adultério possa ser perdoada mediante o arrependimento, seu opróbrio permanecerá e suas cicatrizes nunca serão totalmente removidas. Não é possível remediar completamente o dano feito – “Jessé gerou ao rei Davi, e o rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias”.

Por causa das consequências terríveis e a longo prazo que o adultério acarreta a todos que o praticam, devemos fugir de toda tentação e evitar qualquer relacionamento que possa levar a esse pecado. Devemos orar para que o Senhor nos livre dessa tentação e lembrar-nos com sensatez, ao sermos tentados, das palavras das Escrituras – “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia“.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Hamartiologia – FEST (Pr. Mateus Duarte)

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.