A vingança pertence ao Senhor.

Deuteronômio 32:35
 “Minha é a vingança e a recompensa, ao tempo em que resvalar o seu pé; porque o dia da sua ruína está próximo, e as coisas que lhes hão de suceder se apressam a chegar”.

Os ensinos ministrados por Jesus, mais especificamente no Sermão do Monte, denotam, como já dissemos anteriormente, como cada cidadão do Céu deve viver neste mundo. E, cidadão do Céu é uma referência àquele que ‘nasceu de novo’ (que são nova criatura). Há quem diga que segue a Jesus, mas sua vida testemunha o contrário. Tal pessoa só vislumbra algo da vida eterna, mas não chega a experimentá-la de fato. Jesus não propôs uma adesão intelectual ao cristianismo, mas um nascer de novo – “Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus”.

Concordo com o argumento de que viver de acordo com os padrões estabelecidos pela Bíblia é algo (quase) impossível. Porém, a impossibilidade está estabelecida quando ainda não somos ‘nova criatura’, isto é, ainda não nascemos de novo (estamos falando daquele nascimento proposto por Jesus). Ao homem natural, de fato, é impossível viver dentro dos parâmetros (ainda que sejam os mínimos) que Deus exige e, embora, os que nascem de novo também não alcancem a perfeição, todavia, eles não se deixam dominar pela impossibilidade, vivem em grande esforço para ‘satisfazer’ o Pai.

As lições deste trimestre são muito próprias para o momento que a igreja vive. A igreja de Cristo tem que estar ciente de que o que a distingue das pessoas do mundo não são roupas e adereços (ou falta deles) que identificam e fazem distinção entre as denominações, mas, o padrão de vida adquirido pela compreensão da Palavra associada ao consentimento de ser moldado pelo Espírito Santo de Deus. Não adianta ter um conhecimento estritamente intelectual de tudo o que a Bíblia exige da pessoa que foi salva. Muito mais importante do que saber como se deve viver é praticar o que se sabe.

O que o Senhor quer que aprendamos, de uma vez por todas, é que Ele é justo em toda circunstância. Ora, se Ele não poupa os próprios filhos do castigo quanto mais não poupará os que não são filhos, por isso, quando sofrermos algum tipo de afronta devemos descansar no Senhor. Devemos esperar que o Senhor é quem agirá por nós.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Referências:
– Bíblia de Estudo Pentecostal.
– Comentário Bíblico Expositivo do Antigo Testamento – Warren W. Wiersbe
– Comentário Bíblico Antigo Testamento Moody

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.