Púlpitos ou picadeiros?

Quando Oséias escreveu que Israel estava perecendo por falta de conhecimento, ele não insinuava que todos deveriam ser sacerdotes ou profetas, ele não estava dizendo que Israel não conhecia as Escrituras, o conhecer aqui não é o ter apenas ciência das Escrituras, mas, também, praticar o que se está escrito Nela.

Quero repreender (no Espírito) alguns “teólogos” acerca do “alimento” que estão servindo para o povo de Deus, seja nas igrejas ou via redes sociais, Há uma mensagem muito emocionante, que fala a respeito da águia e de seu comportamento diante de uma situação inevitável, que é a velhice, isto é uma bizarrice sem medidas.

Quando ouvi essa “mensagem” sendo pregada fiquei estupefato, e fiquei imaginando como alguém podia ter a coragem de levar isso para o púlpito de uma igreja e dar Glorias e Aleluias a cada cena que ia sendo narrada. Teve momento em que foi dito pelo pregador, que a nossa mãe águia (se referia a Deus) estava presente ali para nos abençoar. Eu tentei permanecer no meu lugar e esperar o desenrolar da pregação, mas não aguentei, me levantei e saí de dentro da igreja.

A lenda águia não passa de uma mensagem motivacional, nela não há nenhum resquício de verdade, nela não há nenhum resquício de fundamento bíblico.
A verdade sobre a águia é que elas não passam de 30 anos de vida, e que, como qualquer animal irracional, não tem a capacidade de decidir o que é bom ou ruim para ela, ela apenas age por instinto. A lenda diz que o processo de renovação da águia é de cinco meses, faço uma pergunta: Que animal, do porte da águia, sobrevive por cinco meses sem se alimentar?
Entendam, que não estou questionando a inteligência de alguns animais, mas, mesmo tendo certa inteligência, qual foi o animal que aprendeu alguma coisa sozinho? Mesmo tendo certa inteligência ele continua sendo irracional. E, se isso fosse verdade, não teríamos algumas espécies de águias em perigo de extinção.

Nossa motivação não são as “fabulas engenhosamente inventadas” pelos pregadores, mas a vida e as obras de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Estão transformando o púlpito das igrejas em picadeiro e estão adicionando fermentos ao trigo puro, estragando (levedando) toda a massa.

Voltemo-nos para o Evangelho simples e puro. O poder de transformar, resgatar e ou salvar vidas, não está na capacidade do pregador em criar mensagens “fabulosas”, mas no poder da Palavra do Evangelho de Jesus Cristo.

Compartilhar

Erivelton

Cristão Evangélico; Obreiro do Senhor Jesus Cristo, pela misericórdia de Deus; Professor da EBD; Capelão; Estudante persistente da Palavra de Deus; Membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Min. Boas Novas em Guarapari-ES. Casado com a Inês; pai do Hugo, do Lucas e da Milena.

5 thoughts on “Púlpitos ou picadeiros?

  • 8 de dezembro de 2016 em 22:15
    Permalink

    Isto é uma grande verdade meu amigo Erivelton e meu professor de EBD, espero que esse blog seja um canal de bênção para muitas vidas.
    Voltemos ao evangelho genuíno de Jesus Cristo, simples, prático, objetivo e cheio de poder.

    Resposta
    • 8 de dezembro de 2016 em 22:23
      Permalink

      Obrigado Junior, Deus te abençoe meu irmão.
      Me ajude na divulgação do blog.
      Graça e Paz.

      Resposta
  • 8 de dezembro de 2016 em 22:17
    Permalink

    Meu querido e amado irmão, muito interessante a sua visão em relação a este fato lamentável que, infelizmente temos vivenciado em nossos dias. Embora pertencemos a geração que possui um acesso facilitado a informação, andamos na contra mão do conhecimento. Sem sombra de dúvidas, esta é a pior geração de todos os tempos.

    Resposta
    • 8 de dezembro de 2016 em 22:22
      Permalink

      Obrigado pela visita, meu amado.
      Espero esta contribuindo com a obra do Senhor Jesus, e com o apoio dos irmãos, creio que faremos alguma diferença nesta geração.

      Fique com Deus

      Resposta
      • 8 de dezembro de 2016 em 22:26
        Permalink

        Amém. Glória ao nosso Deus!!

        Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.