A vigilância contra a sedição de Satanás deve ser constante.

I Pedro 5: 8
Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar

Nossa confiança em Deus não pode servir de pretexto para termos uma vida cristã negligente. Não é porque Deus é soberano e tremendo em obras que podemos viver despreocupados com os perigos que nos rondam, pois, se assim não fosse, nosso Deus não se daria ao trabalho de nos advertir constante e energicamente em Sua Palavra.

A sobriedade cristã deve ser entendida como um estado constante do crente, não é um estado efêmero, mas sim um estilo de vida. A sobriedade fala de moderação, temperança, prudência e sensatez. A sobriedade implica, também, em ter uma vida cristã sem exageros, excessos e radicalismos, isto é, a vida do crente não deve estar pautada nos extremos – radicalismo e legalismo, antes, o crente deve viver de maneira moderada. Somos sal.

É muito comum vermos algumas pessoas, que para escaparem de algum perigo acabam por cair em outro pior. Por exemplo, uma pessoa para fugir de um cão corre em qualquer direção sem prestar atenção naquilo que pode ser muito pior que uma mordida, pois, geralmente, tal pessoa corre para o meio da rua correndo o risco de ser atropelada. Não estou dizendo que devemos esperar o cão nos morder, estou falando que para escaparmos de uma situação, às vezes, entramos numa pior por pura falta de atenção e cautela.

O diabo, como diz a Palavra de Deus, está ao derredor, e somos exortados a estar vigilantes, pois, a sua fúria contra nós é incontrolável e insaciável, ele não descansará enquanto não nos ver longe, desviados da presença de Deus. A questão é que muitos crentes estão de olho só no diabo, não atentando para as armadilhas, que são inúmeras, que ele arma para nos fazer presa do pecado. E, totalmente ao contrário do que certos pregadores vociferam dos púlpitos, “derredor” não quer dizer que entre nós e o diabo está os anjos para nos socorrerem, pois, “redor” e “derredor” significam a mesma coisa. Satanás inspeciona nossa vida meticulosamente, atentando para todas as nossas ações e reações diante de todas as situações a que somos expostos, e ele vai agir naquilo para o que inclinarmos.

A figura do leão é usada por causa de algumas atitudes que são peculiares deste animal quando está numa caçada acirrada. O primeiro critério estabelecido pelo leão na escolha da presa é aquela que esteja desgarrada, pois, assim como na analogia, o crente quando se isola torna-se extremamente vulnerável. Consequentemente, o leão sempre opta pelas presas mais fracas, pois estas não oferecerão qualquer tipo de resistência, não por que não querem, mas é pelo fato de não terem forças para fazer qualquer tipo de resistência. Assim uma presa desgarrada e fraca é facilmente abatida. Outro critério que o leão estabelece é o de preferir uma presa mais jovem, bem novinha, pois ele percebe pelo comportamento da presa que ela está desprovida de experiência.

Sendo assim, meus queridos, a analogia feita por Pedro é muito própria, pois o crente que vive isolado, que insiste em manter-se fraco e que só tem atitude pueril é a presa preferida de Satanás, pois serão abatidos com extrema facilidade.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.