A mordomia do amor cristão.

Lucas 10: 30-37
E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão; E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele; E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira

Bom, se queremos evitar os “açoites” desta vida, devemos administrar com extrema sabedoria tudo quanto o Senhor Deus nos dá graciosamente, incluindo o amor com o qual Ele nos amou. Para recapitular, o despenseiro de Deus não administra somente aquilo que diz respeito as questões materiais ou financeiras, o despenseiro de Deus deve administrar tudo, indiscutivelmente tudo, aquilo que provém de Deus para si, incluindo as bênçãos, cuidados, zelo e amor que são lhes são graciosamente dedicados pelo Pai Celestial.

Jesus, para os fiéis da nova aliança, resumiu (entenda bem que está escrito RESUMIU e não SUPRIMIU) toda a Lei de Deus em apenas dois mandamentos. Eles não estão escritos em tábuas de pedras, mas estão impressos na mente e coração daqueles que com fidelidade e sinceridade andam na presença do Altíssimo. Ambos os mandamentos estão intrinsecamente unidos de forma que não podem ser cumpridos isoladamente. Ninguém pode dizer que ama a Deus se não ama ao próximo e, da mesma forma, ninguém pode dizer que ama o próximo se não faz a vontade de Deus. O amor a Deus é evidenciado na mesma intensidade com que amamos o próximo e vice-versa.

O problema é que as pessoas julgam que para amar o próximo tem que estar rotineiramente envolvido na vida do próximo; tem que curtir e compartilhar tudo o que o próximo publica nas redes sociais. Não é bem isso. Só pelo simples fato de não desejarmos o mal para o nosso próximo já é uma demonstração de amor. Digo isso porque, infelizmente, temos no nosso meio “crentes” que aplaudem de pé a derrota do irmão. Sim! Intimamente esses “irmãos” são inundados de uma satisfação diabólica que os fazem vibrar quando tomam conhecimento da derrocada do seu próximo.

A Palavra de Deus assegura que até uma simples palavra proferida por nossos lábios que insulte, em qualquer esfera da vida, nosso próximo será cobrada de nós. Não podem ser as leis dos homens que nos coíbem de denegrir a imagem do nosso próximo, não fazemos isso por que isso é a maior evidencia de que não amamos a Deus. Não se deixe enganar meu querido leitor, as leis anti-bullying são um preparativo para a chegada do anti-cristo (isto é um outro assunto do qual falarei depois).

Enfim, administremos com sabedoria (do alto) o amor com o qual Deus nos amou. Amemos nosso próximo da mesma forma que fomos amados por Deus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

Compartilhar

One thought on “A mordomia do amor cristão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.