Deus, o Pai das luzes .

Tiago 1: 17 e Salmos 104: 2
 “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação”.
 “Ele cobre-se de luz como de uma veste, estende os céus como uma cortina”.

Nós, os seres humanos, necessitamos algo mais que um conhecimento teórico de Deus. Ter o conhecimento teórico de Deus é tão inútil quanto estarmos de posse de um copo e não termos nada com que enchê-lo. Só conhecemos verdadeiramente a Deus em nossa alma, quando nos rendemos a Ele, quando nos submetemos à Sua autoridade e quando os Seus preceitos e mandamentos regulam todos os pormenores da nossa vida. Saber que Deus existe e, no entanto, não ser alcançado por Suas bençãos denota conhecimento teórico, ou seja, sabe-se que Ele existe, mas, não crê nos Seus atributos. O fundamento de todo conhecimento verdadeiro de Deus só pode ser a clara compreensão mental de Suas perfeições, segundo revelam as Escrituras Sagradas. Não nos é possível servir nem adorar a um Deus desconhecido, nem depositar nEle a nossa confiança.

Temos ouvido muitas pessoas (evangélicas e não evangélicas) falarem de Deus. Algumas (em situações muito raras) tem falado com muita propriedade, no entanto, outras (um grande número) tem falado o que não entendem e , muito menos, compreendem. Pois, alcançar um conhecimento adequado do Seu Ser, Sua natureza, Seus atributos, como estão revelados nas Escrituras Sagradas, é coisa que pouquíssimas pessoas têm alcançado nestes tempos degenerados. Temos dito com frequência que a igreja hodierna está andando nos mesmos caminhos que Israel e Judá trilharam no passado e, como se isso não bastasse, a sociedade, de forma generalizada, está nas mesmas condições que a daquela época.

Paulo, escrevendo a Timóteo, disse – “Aquele que tem, Ele só, a imortalidade e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver; ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém!”, e, essas palavras querem dizer que o Ser que Paulo descreve deve ser reverenciado, cultuado, adorado. Ele é exclusivo em Sua majestade, único em Sua excelência, incomparável em Suas perfeições. Ele tudo sustenta, mas Ele mesmo é independente de tudo e de todos. Ele dá bens a todos, mas não é enriquecido por ninguém. Um Deus tal não pode ser encontrado mediante investigação; só pode ser conhecido como e quando revelado ao coração Espírito Santo, por meio da Palavra.

Toda a trama de Satanás converge para o fim de convencer o homem de que nosso Pai recusa a dar coisas que nos são de ‘direito’, que, na verdade, não nos ama nem cuida de nós. Ao abordar Eva, Satanás insinuou que se Deus realmente a amasse, teria permitido que ela comesse da árvore proibida. A bondade de Deus é uma grande proteção para não cedermos à tentação. Uma vez que Deus é bom, não precisamos de ninguém mais para suprir nossas necessidades. É melhor passar fome dentro da vontade de Deus do que estar saciado fora da vontade de Deus.

Erivelton Figueiredo

Deus te abençoe.
Graça e Paz.

 Referências:
– Os Atributos de Deus, Arthur. W. Pink
– Comentário Bíblico Expositivo do Novo Testamento, Warren W. Wiersbe

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.